quarta-feira, 3 de outubro de 2012

porquê.


A idade dos porquês nunca acaba, por sinal, vai-se agravando. Cada vez mais velhos, supostamente significa cada vez mais sábios, mas não, nada disso.
As crianças são quem tem o conhecimento absoluto de todas as coisas, nós que pensamos que sabemos tudo, vamos ficando cada vez a saber menos e menos e todos os porquês aumentam com o passar dos dias, porque damos por nós numa estrada tão diferente daquela que está na nossa rua e que passamos frequentemente. E aí, percebemos que não sabemos nada e como se não bastasse não nos conhecemos e não conhecemos ninguém, sozinhos no mundo rodeados de pessoas que julgam que sabem alguma coisa sobre nós e nós a pensar que sabemos alguma coisa sobre eles.
Podíamos ser mais ignorantes?
Peço desculpa se ofendo a humanidade, mas é assim mesmo. Somos tão perdidos, tão estúpidos. Quase inúteis.
Mas mesmo assim atrevo-me a dizer que talvez valha a pena crescer e não saber nada, talvez permitir-nos a nós mesmos a aprender, a encontrar respostas aos porquês que serão intermináveis…
É uma busca constante, de tudo, isso tenho a certeza, uma busca de respostas, de felicidade (essa vamos procura-la em tudo e em nada),em busca de equilíbrio.
Talvez valha a pena. Não sei. Mas, vai valer a pena descobrir.



 

Sem comentários:

Enviar um comentário