sábado, 28 de abril de 2012

É uma tortura para mim escrever, assim como é um prazer contínuo. Só é uma tortura porque por vezes quando escrevo sinto que nem a mim posso dizer a verdade e vou pondo travões em palavras que ganham asas por si só e é desgastante. No que escrevo nunca digo toda a verdade e sei que isso me rebaixa e é uma vergonha para a literatura alguém escrever só metade da sua própria verdade. Não diria que minto mas, dizer metade da verdade não é ser-se verdadeiro por isso acabo mesmo por mentir. É uma pena, porque realmente acredito que é assim que a poesia vai morrer, nas mãos de pessoas como eu, de gente que jamais ganhará coragem para partilhar com o mundo a nudez da sua alma. Já nem me culpo mas também admito que poderia deixar o meu próprio ambiente menos pesado, se deixasse todas as pedras no caminho…

4 comentários: