sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Querer

Queria poder ouvir os meus sentimentos porque não os ouço, não os penso, não sei o que posso esperar e isso mantém-me completamente fora de órbita, assustada. È ridículo nutrir um medo deste género, eu penso assim mas, não consigo deixar de o sentir, é-me impossível pô-lo de parte, esquecê-lo, escorraça-lo. Liga-se a mim como se este me fosse intrínseco e não gosto.
Não quero ceder a ele, não me vou render, procuro uma maneira qualquer de o fazer desvanecer haverá com certeza uma.
Devia mesmo atirar-me, mergulhar bem fundo, sei nadar. Pode correr mal, posso afogar-me mas se já tenho medo creio que falhar não fará muita diferença.
Têm-me dito, desde á muito tempo, toda a minha vida que viver é importante, que agir é importante, que é ainda mais importante ser feliz, confesso  que até de ser feliz tenho receio, não quero ter mais do que mereço ou menos...
Cada segundo é mais um pensamento e de quê não sei, cada minuto é o pensar do sentimento qual, quem de dera saber, quem me dera viver, quem me dera ser quando não o sou.

2 comentários:

  1. É mesmo lindo isabel... confesso que aquele texto na minha opiniao faz todo o sentido e principalmente nos dias de hoje *.*

    ResponderEliminar
  2. É realmente verdade, ao menos os bons que saibam aproveitar todo o bem deste silencio ;)

    ResponderEliminar