sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Penso em não pensar

Às vezes penso que não devia pensar, pensar incomoda-me apenas porque pensamos demais ou porque pensamos de menos… Penso mais no quanto é horrível haver uma realidade e no abismo que isso se pode tornar apenas por ser real, não necessariamente que a realidade tenha que ser um pesadelo mas, falando no caso de o ser, é assustador.
Penso, também nos sonhos, em outros mistérios que viajam além de mim que caiem no limite do que sou e afundam-se. Penso demais, penso demais quando não devo pensar, e quando não penso precisava mesmo de o fazer.
Penso em Romeu e Julieta ao luar, o quanto era diferente, no quanto era verdadeiro e especial. È uma história realmente triste mas, apaixonante até nos faz sonhar, mas só sonhamos, não passa exactamente disso.
Se penso em outras eras tenho pena de nunca ter vivido por lá, mas se penso nessas mesmas eras e no real sofrimento sim, prefiro estar por aqui…
Olho a lua e penso no quão pálida é a sua luz, no quão brilhante, no quão misteriosa, se penso em pensar prefiro esquecer, não lembrar.
Cai a chuva e penso no sol e se está sol eu não gosto, prefiro o vento. Se vivo penso na morte, talvez quando morrer meus pensamentos serão sobre a vida, é impressionante como sempre algo está mal, sempre algo se baralha naturalmente, chego a ignorar-me para não ter de pensar, para não ter de sentir.
Penso em fugir para não ter de viver tal rotina, não se define um sentimento destes! Pensamos em não pensar, pensamos em não sentir, em fugir, em viver, em morrer, em rir, chorar, em turbilhões de sensações intrínsecas que nem sabemos que existem mas pensamos nelas a toda a hora, e quanto mais pensamos, pensamos em não ter mente, em não ter coração, em ser corpo sem alma, corpo sem vida, em ser borboletas voando nos campos alheios, que ao bater das asas bate o meu coração, porque pensa, porque sente o que não devia sentir, o que não devia pensar…
Pensar em não pensar, sentir sem sentimento, acima de tudo não sou nada do que sou e o que sou não sei, nem saberei porque me questionando assim e desta maneira, quem serei eu?

Sem comentários:

Enviar um comentário