sábado, 3 de julho de 2010

Meras palavras, talvez sem sentimento

Às vezes pode tornar-se complicado falar-se de sensações perpétuas, aquelas que sabemos que ainda iremos sentir, seja agora, neste momento ou no derradeiro bater do coração…

“Deves ouvir sempre o coração”- esta reunião de palavras, realmente cede um bom conselho a seguir por todos, contudo entre a simplicidade destes vocábulos não se vê o quão custoso é a transição entre o ouvir e aceitar esta lição e pô-la em prática.
Acho que a maior parte da humanidade sabe o que fazer, penso que falta a coragem a muitos, é difícil pôr de lado o que certamente deve estar correcto e passar a agir conforme os sentimentos, os pensamentos são fortes, aliás a força da mente é enorme, e então a do órgão propulsor? Talvez sejam possuidores da mesma grandiosidade de força e assim ao puxar cada um para seu lado, mente e coração, existe um grande conflito, por vezes ganhando a razão que acaba por dar problemas! Mesmo que o pensamento racional esteja acima de muito, os sentimentos irão sempre lutar mais e mais… Assim será complicado viver com a consciência carregada de culpa, afinal seguir o coração está correcto, mas por outro, às vezes seguir o coração transporta-nos para um outro mundo, decidimos arriscar, seguimos em frente sem medo, até que ao chegar ao destino dessa grande viagem passinhos antes, acabamos por cair no meio do chão como que atirados lá do céu! A partir do momento que algo assim acontece, será complicado repetir a acção, acabando possuídos de medo, de fracasso, dor e culpa…
Talvez os mais cheios de coragem voltem á guerra, e é mesmo assim, nunca saberemos se não tentarmos, afinal caímos uma primeira vez e isso dói, mas recuperamos, é como aprender andar de bicicleta, caímos, levantamos, tentamos, e choramos e tentamos de novo, acabamos por aprender e sentir vitória, porque afinal faz tudo parte do processo de aprendizagem, e assim que conseguimos realizar o tão desejado desafio nunca mais esquecemos como se faz! È assim também com o sentir, assim que aprendemos a sentir e a lutar, o medo não nos deve fazer esquecer que o sabemos fazer, pois o tempo e o medo, talvez, corrói certos sentimentos, certas lições, mas nunca as desgasta de vez e para sempre, há sentimentos que apesar de tudo sabemos que os sentiremos sempre, seja agora, neste momento ou no derradeiro bater do coração e mais além…

5 comentários:

  1. tens razão, estou a começar a gostar ;$ e não digas asneiras porque primeiro lugar: não está nada de especial, e segundo: escreves MUITO melhor que eu minha querida !
    E amei este post, é tão verdade: "há sentimentos que apesar de tudo sabemos que os sentiremos sempre, seja agora, neste momento ou no derradeiro bater do coração e mais além…"

    ResponderEliminar
  2. oh mas isso é porque nós temos sempre mania de falar mal do que é nosso :n
    não agradeças !

    ResponderEliminar
  3. É o que eu digo, estás cada vez melhor :D:D
    e o problema é quando não nos deixam seguir o coração :s
    p.s.: sim, a Sushi e a Natacha :) encontrei-as numa caixa que tinha guardada num armário... Recordei-me de tanta coisa :o foi tão bom, mas tão mau :O

    ResponderEliminar