domingo, 13 de junho de 2010

Teus olhos

Teus olhos são vulgares
Não dizem nada
Olham e vagueiam os mares
Correm, fogem de nada
Olhares insignificantes
Que cruzam os meus
Que cheios de palavras não reveladas
Encontram um nada para entender
E depois de tudo
Não há nada para perceber
Pois teus olhos não dizem nada
Nunca dirão
Teus olhares, monótonos
Que num instante
Olhando o vazio que se atravessa
Revelam mais do que possuem
Mais do que poderiam ser
Mesmo assim teus olhos não dizem nada
Nada que se possa aproveitar
Nada que faça sentido
Ao ponto de revelar sentimentos
Por isso, teus olhos são apenas isso
Olhos que veêm tudo e nada
Mas que apenas veêm, nunca falarão
Pois teus olhares, olham ausentemente
E teu coração, é como outros tantos, que nunca sentirão...

Sem comentários:

Enviar um comentário