segunda-feira, 3 de maio de 2010

Desde o passado até agora (...)

Desde o passado até agora senti o sorriso esvoaçar no vento, senti-o tornar-se inútil, corri e rastejei quilómetros e quilómetros, pensei e repensei todos os momentos da vida, organizei-os por diferentes cores e poucas saltavam ao olhar…

Fugi mil e uma vezes do que não queria sentir, fechei a porta com a fechadura estragada vezes sem conta a todos os meus próprios pedidos e continuei a esconder a realidade do olhar, a verdadeira profundeza dos meus olhos castanhos que, olhando o mundo esquecem a própria vontade…
Estes olhos que me fogem da mira, que olham para um outro horizonte, e os pés que caminham noutra direcção, e o chão que caminha para mim enquanto parada porque não quero prosseguir para o lugar proibido, desde o passado até agora sinto-me a perder-me num bosque feio e escuro, sinto-me a cair em buracos fundos, sinto-me sem luz para continuar a caminhar vendo onde vou… Desde o passado até agora sinto-me fugir de mim, sinto-me a fugir do que fui, sinto que já nada sou de tanto fugir do que sou…

2 comentários:

  1. Obrigada por seguires (:


    Adoro a forma como descreves os sentimentos! Um dia vais-te encontrar, mas estar perdido nem sempre é mau... descobrimos novas coisas*

    ResponderEliminar